Sufrágio

6 de nov de 2011

Duração do Purgatório.



Quanto tempo ?
Quanto tempo deve ficar uma alma no Purgatório? É uma pergunta impossível de responder. Não temos e não podemos ter nenhum argumento ou definição da Igreja e da teologia que nos possa garantir uma resposta certa a esta pergunta.
É um mistério e depende muito do modo de encaramos a questão. Bem sabemos que na eternidade não há mais tempo. Como julgar o tempo em relação à eternidade?  E demais, o sofrimento faz maior e mais difícil de passar o tempo entre nós. Quantas vezes um minuto nos custa mais a passar que longas horas?  Pois o sofrimento horrível e intenso das pobres almas faz com que os minutos lhe sejam anos e até séculos. Aqui, havemos de fazer como todos os autores que tratam do Purgatório: recorrer às revelações particulares. Elas nos esclarecem, e algumas bem provadas e até sujeitas a processos canônicos rigorosos, como as dos Santos canonizados, nos dão uma garantia de que não se tratavam de ilusões ou fantasias mórbidas. 
Quanto à duração do Purgatório, de uma coisa podemos ter certeza, diz-nos Santo Agostinho: é que as penas expiatória não irão além do último Juízo no fim do mundo. 
A igreja supõe muitas vezes que as penas do Purgatório sejam longas, quando permiti fundações de Missas e sufrágios por longos anos, e celebra aniversários de vinte, trintas, cinquenta e mais anos. Permite fundações perpétua de Missas. Ninguém sabe, diz Cesário, quanto tempo, quantos anos deverá ficar no Purgatório uma alma. É para nós, diz São Roberto Belarmino, coisa muito incerta. Poderíamos considerar duas espécies de duração do Purgatório - uma positiva e que corresponde à medida do tempo tal como o contamos neste mundo, e a outra fictícia ou imaginária, a que pensam as almas pelo sofrimento que as faz perder toda noção do tempo. Daí o veremos em revelações particulares pobres almas que estavam apenas algumas horas no Purgatório, queixarem-se de anos e até séculos de abandono naquelas chamas.


(Texto tirado do livro Tenhamos compaixão das pobres almas!) Mons.  Ascânio Brandão. - 1956 -

2 de nov de 2011

Dia de Finados.



                                   A Comemoração de todos os Fiéis Defuntos.
                                            " Dai-lhes descanso eterno.".

A instituição de um dia comemorativo de todos os Fiéis defuntos ainda no purgatório, remonta ao piedoso e Santo Odilon, Abade de Cluny (falecido em 1048 ) que decretou, em 998, que em todos os Mosteiros da Ordem de S. Bento, fosse celebrado, depois das Vésperas de 1º de novembro, o Ofício dos mortos. Este costume foi imitado e afinal adotado pela Igreja . O Papa Pio X, deu ao dia dos mortos, o nome de "grande festa das pobres almas" e cada Sacerdote pode celebrar três Missas neste dia.
Não esqueçamos em nossas preces as benditas almas do Purgatório. Elas nada podem para si, mas podem muito com sua intercessão em nosso favor junto de Deus. Mandemos-lhe sufrágios e indulgencias, e elas ser-vos-ão gratas. A Igreja militante deve ajudar a padecente para que alcance a triunfante. Em todo novembro mês das almas, mandemos-lhe nossas preces consoladoras.




Terço do Amor ( no cemitério ou em qualquer lugar )

1- Credo - Pai Nosso - 1 Ave-Maria.
No lugar do Pai Nosso : Doce coração de Jesus : sede nosso Amor,
                                        doce coração de Maria : Sede nossa salvação
Na Ave-Maria : Jesus Maria José Nós vos amamos : R - Salvai Almas!
No final : sacratíssimo coração de Jesus, fazei que eu Vos ame cada vez mais ( 3 vezes).
Repouso eterno dai-lhe Senhor. R: E a luz do perpétuo resplendor ( 3 vezes).
Oração de Santa Gertrudes
Eterno Pai, ofereço-vos o Preciosíssimo Sangue, do Vosso Divino Filho Jesus, em união com todas as Missas que hoje são celebradas em todo mundo, por todas as Santas Almas do Purgatório, pelos pecadores em todos os lugares, pelos pecadores da Igreja Católica, pelos pecadores em todas as outras igrejas, pelos de minha casa e meus vizinhos.
Amém! Salve Rainha......


Jaculatória.
Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo e sua puríssima Mãe Maria Santíssima.
Tende piedade de nós, das almas e de todos os pecadores do mundo.

1 de nov de 2011

Festa de Todos os Santos.



                "Glorioso é o Reino no qual todos os Santos exultam com Cristo!
                      Revestidos de branco seguem o Cordeiro por onde Ele vai".

A ideia de honrar todos os Santos numa festa comum nos veio do Oriente e data do IV Século. Festejavam-se então apenas os santos Mártires; a festa era celebrada no primeiro domingo de Pentecostes, como ainda hoje, entre os Gregos. Na Síria ela se realizava na sexta-feira que se segue à Páscoa. Em Roma, o Papa Bonifácio fez transformar em igreja o Pantheon que lhe fora oferecido pelo imperador Focas, edifício que fora construído por Agripa em 27 antes de Jesus Cristo, em honra de Augusto, e dedicado a todos os deuses. Para esta igreja, fez transportar uma grande quantidade de sagrada Relíquias (em 28 carros repletos dizem) e a consagrou à Mãe de Deus e a todos os Santos Mártires em 13 de maio de 1610. Depois disto, a festa de todos os Mártires foi celebrada em 13 de maio ( no tempo pascal, depois da Ressurreição do Salvador). Foi Gregório IV quem transferiu a festa para 1 de novembro ( por causa da dificuldade de acomodação dos numerosos peregrinos que chegava a Roma na primavera) e desse modo, a festa, estendida a todos os Santos, encontrou lugar conveniente no fim do Ano litúrgico para simbolizar a consumação gloriosa do Reino do Cristo e a segunda vinda do Salvador. 

Texto tirado do livro Testemunhas do Cristo ( 1942 )

Todos os Santos e Santas de Deus, Rogai por nós e pelos falecidos!

30 de out de 2011

Uma Aparição.


Não podemos saber neste mundo com certeza e nem é necessário saber como é  e o que é o fogo do Purgatório. O que sabemos é que a Sagrada Escritura muitas vezes nos fala do fogo para nos dar a entender que seremos castigados e expiaremos nossas faltas nos rigores da divina justiça para nos purificarmos e sermos dignos de entrar no céu. Si o fogo desta vida criada por Deus para nos servir já é terrível, que não será o fogo da Divina Justiça?
O fato seguinte é narrado pelo piedoso Monsenhor De Segur.
Em 1870, diz o piedoso prelado, eu vi e toquei em Foligmno, perto de Assis, na Itália, uma destas terríveis provas de fogo pela quais as almas do Purgatório, por permissão de Deus, às vezes atestam que o fogo do Purgatório é um fogo real. Em 1859 morreu de uma apoplexia fulminante a boa Irmã Teresa Gesta, que durante longos anos foi mestra de Noviças. Doze dias depois, em 16 de Novembro, uma Irmã, chamada Ana Felícia, subia à rouparia quando ouviu um angustioso e triste gemido: - Jesus! Maria! que é isto?  exclamou assustada a Irmã. Não havia acabado de falar, quando ouviu uma queixa: Ai Meu Deus! Meu Deus! Quanto sofro! Irmã Ana reconheceu logo a voz da defunta Irmã Teresa. Um cheiro sufocante de fumaça encheu toda a rouparia e percebeu-se o vulto da Irmã Teresa que se dirigia para a porta e tocava na mesma com a mão direita, dizendo: Aqui fica a prova da misericórdia de Deus. E na madeira da porta ficou carbonizada e impressa a mão da defunta, que desapareceu. Irmã Ana por-se a gritar numa grande excitação nervosa. A comunidade correu para a acudir e sentia-se um cheiro sufocante de fumaça. A Irmã conta o que se passa e reconhecem todas, na mão pequenina gravada no portal, a mão da Irmã Teresa, que se distinguia muito pela sua pequenez e delicadeza. As irmãs, comovida, vão ao coro e oram pela defunta. Passam a noite em oração e penitências em sufrágio da saudosa mestra de noviças. No dia seguinte oferecem a Santa Comunhão por aquela alma. Mais um dia se passa e Irmã Ana Felícia ouve e vê depois Irmã Teresa radiante de glória toda bela, que lhe diz com doce voz: - "Vou para a glória! Sede fortes e corajosas na luta, fortes em carregar a cruz!" E desapareceu numa luz brilhantíssima.
Este fato portentoso é narrado por Monsenhor de Segur, que visitou o Convento das Terceiras Regulares Franciscanas daquela cidade, foi submetido a um rigoroso processo ordenado pelo Bispo de Foligmno em 23 de Novembro de 1859.

23 de out de 2011

A vida Eterna é advertência eficaz quando nos assaltam as tentações.


Estando S. Paulo em Cesareia, o procurador romano, Félix, mandou-o chamar para ouvir a sua doutrina. Todo o poderio do império romano estava representado no procurador; e diante dele, rodeado de soldado, o Apóstolo prisioneiro. No entanto, diz-nos a Sagrada Escritura que ao falar S. Paulo da justiça, da castidade e do juízo futuro, Félix tremeu de medo ( Act. dos Ap. 24,25.) A fé na vida de além-túmulo, a consciência de ter que dar contas um dia, faz tremer não só ao procurador romano, mas a todos os homens. Oxalá pensássemos muitas vezes nesta verdade, principalmente quando as tentações nos incitam a pecar.
Houve em Paris um chefe de policia que lutou de modo curioso e eficaz contra os borrachos que cambaleavam aos berros pelas ruas. Mandou simplesmente filma-los quando se encontravam naquele estado. Depois de recuperarem o estado normal. fazia projetar diante deles aquelas cenas. O assombro era enorme. Cada movimento e cada gesto descomposto, feito nas horas de embriagues, constituía uma forte repreensão; envergonhava-os a abjecção espantosa a que o vicio os condenara.
Também vai perpassando pelo mundo um filme gigantesco , a omnisciência de Deus. Nele se vão gravando todas as nossas palavras, ações, desejos, planos, todos os nossos segredos.....
Ai! que vergonha, no dia do juízo,quando se desenrolar este filme, e vejamos, como a mente iluminada pela luz eterna, o que praticamos na embriagues da vida terrena.
Infelizmente, aos homens não lhe agrada este pensamento. As preocupações terrenas absorvem-nos de todo. No dia do juízo há de lhes suceder o mesmo que ao celebre arqueólogo que andava explorando regiões do Nilo. Quis passar numa barca para a outra margem do rio, e enquanto o barqueiro remava, o sábio começou com ele a seguinte conversa:
- Sabes a língua sanscrista ? - Perguntou ao barqueiro.
- Não sei, não senhor.
- Conheces as estrelas?
- Não,senhor.
- Estudaste,a historia desta terra?
-Não, senhor,não estudei.
- Homem! exclamou o sábio, perdeste metade da tua vida.
De repente principiou a soprar um vento forte, e as ondas encrespadas fizeram voltar a barca.
- Senhor, grita o barqueiro, sabe nadar?
- Não sei.
- Então perdeu a vida inteira.
O barqueiro chegou à outra margem mas o sábio afogou-se!....
De quantas coisas se preocupam tantos homens neste mundo, e só descuram a vida eterna! Quantas coisas supérfluas vão aprendendo durante a vida, e só se esquecem de aprender a nadar para quando sobrevier o furação do juízo final!
Seja para nós a fé na vida eterna uma advertência continua!

Texto tirado do livro A vida eterna
autor Bispo Húngaro Tihamer Tóth.



15 de out de 2011

Devoçõ as Almas do Purgatório.

Autoridade irrecusável de Santa Teresa nos ensina quanto esta devoção é agradável a Deus, e com que impaciência (se assim é permitido falar) Ele se digna desejar ardentemente a libertação das almas do purgatório, cuja cuidado, contudo, entrega á nossa caridade. No livro das Fundações nos diz ela que D. Bernardino de Mendoza lhe deu uma casa, um jardim e uma vinha para estabelecer um convento em Valladolid. Dois meses depois desta doação, antes desta concluída a fundação, este homem caiu subitamente doente e perdeu o uso da fala, de sorte que se não poude confessar, dando todavia sinais não equívocos de contrição. " Não tardou a morrer, diz Santa Teresa, longe do lugar onde eu estava nessa ocasião. Mas Nosso Senhor me falou e me fez saber que aquele homem se salvara (conquanto houvesse corrido grande risco de se não salvar), pois a misericordia de Deus abaixara sobre ele, por causa dos donativos que fizera ao convento da Santíssima Virgem; todavia, sua alma não sairia do purgatório antes de se dizer a primeira missa na nova casa. Senti tão profundamente os sofrimentos desta alma, que não obstante o meu grande desejo de concluir no mais curto prazo possível a fundação de Toledo, suspendi logo esta, para trabalhar na de Valladolid. Um dia que eu estava em oração em Medina del Campo, Nosso Senhor me disse que me apressasse, pois que a alma de Mendoza estava sendo pasto dos mais pungente sofrimentos. Pus-me logo a caminho, embora não estivesse preparada para isso, e cheguei a Valladolid no dia da festa de S. Lourenço. Santa Teresa continua sua narrativa e nos diz que depois de haver recebido a sagrada comunhão, á primeira missa que foi celebrada na nova casa, a alma do seu benfeitor lhe apareceu radiante, e em seguida a viu entrar no ceú. Ela não esperava que tal sucesso coroasse seus pios esforços, como ela própria observa, "pois, diz ela, conquanto me houvesse sido revelado que o livramento desta alma se seguiria á primeira missa, pensava eu que isto devia significar a primeira missa em que o Santíssimo Sacramento fosse encerrado no tabernáculo." Poderíamos multiplicar quase até ao infinito as revelações dos Santos, que provam o favor com que Nosso Senhor acolhe uma devoção, que tão de perto toca os seus mais caros interesses.

Santa Teresa D'Ávila, rogai por nós!.

12 de out de 2011

Nossa Senhora Aparecida.

                                           


                                           Senhora Aparecida! excelsa Padroeira!
                                           Pérola única achada em água brasileira!

A excelsa Padroeira do Brasil.  Um antigo manuscrito que se guarda no arquivo da Basílica, assim nos descreve o encontro da Sagrada Imagem: " No ano de 1719 pouco mais ou menos, passando por esta vila de Guaratinguetá para as Minas o Governador delas e de S. Paulo, o conde de Assumar, Dom Pedro de Almeida, foram notificados pela Câmara os pescadores, para apresentarem todo o peixe que pudessem haver para o dito Governador. Entre muitos foram a pescar Domingos Garcia, João Alves e Filipe Pedroso, em suas canoas. E principiando a lançar suas redes no porto de José Correia Leite, continuaram até o porto de Itaguassú distante bastante, sem tirar peixe algum. Lançando João Alves a sua rede de arrasto neste porto tirou o Corpo da Senhora sem cabeça; e, lançando mais abaixo outra vez a rede, tirou a cabeça da mesma Senhora, não se sabendo nunca quem ali a lançara. Guardou o pescador esta imagem em um pano.  Continuando a pescaria e não tendo até então tomado peixe algum, dali por diante foi tão copiosa a pescaria em poucos lanços, que receosos os companheiros de naufragarem pelo muito peixe que tinham nas canoas, retiraram-se a suas vivendas, admirados deste sucesso. Felipe Pedroso conservou esta imagem seis anos em sua casa, perto de Lourenço de Sá; e passando para a ponte Alta, ali a conservou em sua casa nove anos. Passou depois a morar em Itaguassú, e ali deu a Imagem a seu filho Atanásio Pedroso, o qual fez um oratório e colocou a Senhora, em um altar de madeira onde todos os sábados se reunia a vizinhança a cantar o terço e mais devoções. Em uma dessas ocasiões se apagaram repentinamente duas velas que alumiavam Nossa Senhora estando a noite serena; e querendo logo Silvana da Rocha acender as luzes apagadas, também se viram elas acesas, sem intervir diligência alguma. Foi este o primeiro prodígio.... Casos semelhantes se deram repetidas vezes, de modo que a fama se foi dilatando e chegou ao conhecimento do então Vigário de Guaratinguetá, Padre José Alves de Vilela. Este e outros devotos lhe edificaram uma cabelinha e quando demolida esta, no lugar em que hoje está, construíram outra maior com fervor dos devotos, cujas esmolas a puseram no estado em que no presente está..... Os prodígios desta imagem foram autenticados por testemunhas"......
Com a crescente piedade e confiança dos fiéis, também a boníssima Virgem multiplicou os benefícios em favor de seus devotos. E assim aconteceu que o culto da SSma. Virgem sob o título de Nossa Senhora Aparecida se espalhou pouco a pouco por todo Brasil. Os Papas aumentaram a devoção local pela concessão de muitas indulgências plenárias.  O santo Padre Leão XIII deu licença para ser celebrar a festa da SSma. Virgem sob o título de Nossa Senhora Aparecida. Por ocasião do XXV. ano da definição do dogma da Imaculada Conceição no dia 8 de dezembro, por decreto do Capítulo da Venerável Basílica do Vaticano, colocou o Bispo de S. Paulo, presentes o Núncio Apostólico, muitos Senhores Bispos e uma imensa multidão do clero e povo, uma coroa de ouro na cabeça da Sagrada Imagem. O Santo Padre Pio XI. finalmente dignou-se aprovar o Oficio e a Missa próprios da mesma SSma. Virgem. 
No XXV. aniversário depois da solene coroação, vieram muitos Bispos de diferentes dioceses do Brasil à cidade de Aparecida e celebrou-se o jubileu na presença de numeroso clero e povo. Nessa ocasião exprimiu-se o desejo comum de que fosse declarada a Virgem da Aparecida, Padroeira principal de todo o Brasil. O Santo Padre Pio XI recebeu com benevolencia este pedido e no dia 16 de Julho de 1930, consultada a Sagr. Congregação dos Ritos, foi a SSma. Virgem sob o mencionado título, declarada Padroeira principal do Brasil. A Sagrada Imagem foi transportada com solene pompa e sob as palmas dos fiéis e chuvas de flores para a cidade do Rio de Janeiro e levada em procissão pelas ruas e praças da cidade.Um enorme multidão de clero e povo aplaudiu e acompanhou a imagem e perto de 40 Bispo e Prelados em suas vestes pontificais aumentaram o esplendor e alegria com sua presença. Numa imensa praça, na presença do Senhor Presidente da República, de muitos altos funcionários e militares, pronunciou o Senhor Cardeal Arcebispo do Rio de Janeiro, entre hinos e pregações, a formula da Consagração de todo o Brasil à Virgem Santíssima como sua Padroeira, e benzeu solenemente o povo delirante de alegria. Pouco depois, foi a Sagrada Imagem reconduzida à sua cidade e colocada na Basílica, de onde a Mãe de Deus continua a espalhar graças e bênçãos sobre seu filhos.





Nossa Senhora Aparecida Padroeira do Brasil, Rogai por nós e pelos falecidos!

Viva Nossa Senhora Aparecida!
Vivas! Vivas! Vivas!

9 de out de 2011

A Fé na Vida Eterna dá-nos força no meio das Tentações.


A crença na vida eterna não assinala somente um fim sublime à vida terrena; infunde-lhe, ao mesmo tempo,força contra as tentações que procuram desviar-nos do nosso fim eterno.
Jesus Cristo apela com frequência para o pensamento profundo da vida eterna, para nos dar animo para maiores sacrifícios.
Sacrifica tudo para alcançar a vida eterna!
- Tal é a recomendação do divino Mestre. Ainda que tenhas que sacrificar o teu olho ou a tua mão na luta. Fomes, prisões, sofrimentos e o próprio martírio, nada importam neste mundo se alcançamos a vida eterna. É o pregão que parte da cruz: Lutar até a morte, sem se render!
A vida eterna não é a sorte grande da mega sena que nos saia por acaso. Temos de lutar para a alcançarmos. É verdade tão clara que não necessita de explicações. " Peleja valorosamente pela fé e conquista a vida eterna" "guarda este mandamento sem mancha". Assim escreve S. Paulo a Timóteo. Guarda os mandamentos! Porque é tão belo e tranquilizador ser bom! Algumas vezes bastará este pensamento. Mas ai! - outras, e serão muitas, vemos acometidos por tentações tão fortes que nada poderá valer-nos, a não ser a fé na vida eterna e o temor de a perdermos para sempre.
Em certa ocasião um pai de família falava com os amigos. A conserva, em voz cada vez mais alta e animada, enveredava por este tema delicado:
- Eu não creio nem no céu, nem no inferno - dizia o pai.
A mulher, em voz muita baixa, apontando-lhe um pequenito que brincava a um canto, diz-lhe:
-Não fales assim, pelo menos diante do nosso filho.
O pai replicou com superioridade:
- Não compreende o que dizemos! E dirigindo-se ao menino perguntou-lhe: - Ouve, compreendeste o que disse?
Os olhos do filho brilharam de satisfação, e respondeu :
- Sim, compreendi.
- Então que disse eu?
- Que não é preciso ser bom.
Quanta razão tinha aquela criança! Quem deterá aos nossos rapazes, - se é que alguma coisa os pode deter, - no caminho da perdição e da baixeza, se não for o pensamento da vida eterna?  Ao que se afundou no pecado, e resvalou pelo despenhadeiro, que é o que primeiro o move?  A fé na vida eterna. Que é o que dá força para cumprir o dever quando os outros cedem?  Que é que nos comunica a força na luta que mantemos para guardarmos a nossa integridade moral, mesmo no meio da pobreza, quando bastaria talvez fechar os olhos para medrar consideravelmente neste mundo?  Que é que nos dar força para o trabalho honrado, quando ganharíamos muito mais pelo caminho das fraudes?  A fé na vida eterna.  

(Texto tirado do livro A vida eterna autor Bispo hungaro Tihamer Tóth ) 1952.

7 de out de 2011

O Santo Rosário.


O Rosário é um tesouro dos mortos também. Um dia, São Domingos pregava sobre a eficácia do Rosário em favor das almas sofredoras. Era nas planícies do Languedoc. Um homem incrédulo zombou do Santo. Naquela noite teve uma misteriosa visão. Via as almas se precipitarem nos abismos do purgatório e Maria Santíssima, com uma cadeia de ouro, as tirava do abismo e as punha em terra firme. Era uma imagem do Rosário, cadeia de ouro pela qual Nossa Senhora arranca do purgatório as pobres almas sofredoras.   Quantos prodígios faz o Rosário em favor dos seus devotos na vida, na morte e depois da morte, no purgatório! Além do mais, o Rosário é um tesouro de muitas indulgências, que podemos aplicar em sufrágio das pobres almas. Vamos rezá-lo sempre, nas horas vagas, pelas estradas, em toda parte, não percamos o tempo. Aproveitemos para rezar muitos rosários pelas pobres almas. Temos tantos parentes e amigos e tantas almas queridas no purgatório! Vamos aliviá-las com nosso rosário bendito!

(Texto tirado do livro Socorramos as pobres almas do purgatório) Mons. Ascânio Brandão (1953 /1954)

Hoje dia de Nossa Senhora do Rosário.
Viva Nossa Senhora do Rosário! Vivas ! Vivas!
Nossa Senhora do Rosário!
Rogai por nós! e pelos falecidos!

2 de out de 2011

Energia para a Vida é a Fé na Vida Eterna.


O Cristianismo, ao propor-nos este fim tão sublime, transforma a nossa vida terrena. O filósofo grego Zenão perguntou uma vez ao óraculo, que devia fazer para levar uma vida virtuosa. A resposta constava só destas palavras : - "Pergunta-o aos mortos".
Realmente, quem costuma interrogar os mortos,
- o que em linguagem cristã significa pensar na vida eterna, - vê com uma luz completamente distinta toda a vida terrena e todos os seus acontecimentos. Sub specie aeternitatis, esse homem avalia todas as coisas " à luz da eternidade". Sobre todos os seus pensamentos e desejos, sopra vento da eternidade que os enobrece e os sublima. Durante toda a vida, o verdadeiro cristão procura guarda os mandamentos da lei de Deus e da Igreja. Ele sabe muito que o ouvir missa, a frequência dos sacramentos, a oração, o jejum e a penitencia aproveitam para a vida eterna. Também ele trabalha muito para ganhar o sustento de cada dia, e para melhorar a sua situação neste mundo. Mas no meio das suas canseiras não se esquece das palavras do Senhor: " De que serve ao homem ganhar todo o mundo, se vem a perder a sua alma ?  ".
Também ele procura assegurar-se uma existência desafogada. Mas quando o assalta a tentação de enriquecer injustamente, recorda-se das palavras do Senhor: "Insensato, esta mesma noite hão de exigir de ti a entrega da tua alma. Para quem serão os bens que armazenaste?  " .
Numa palavra, quem pensa com seriedade na vida eterna, quem não se limita a acreditar nela, mas faz descer esta crença até ao coração, ajuizá de toda a sua vida terrena e vive-a à luz da eternidade. Ainda que apoia ambos os pés na realidade, - porque tem de viver neste mundo e não no outro, - contudo o coração palpita-lhe sempre para o Céu, o rosto levanta-se-lhe para as estrelas, e pronuncia muitas vezes aquelas palavras reconfortantes: " Toda esta pobre vida terrena para alcançar a coroa eterna!"  A vida eterna bem merece que dedique toda a vida terrena para a alcançar.  Mas, realmente, merecerá a vida eterna tantos esforços, tanta mortificação?  
Oh! mil vezes mais ainda!
De fato, que é a vida eterna?  Empregamos uma expressão cujo conteúdo nos escapa: - Por todos os séculos dos séculos. Dizemos-la todos os dias, mas não somos capazes de abranger o seu significado. Neste mundo, estamos mergulhados no espaço e no tempo. No outro não há espaço nem tempo; mão há matéria, o tempo não consta de minutos e segundos. Não existe passado nem futuro - tudo é presente. Não existe ontem nem amanhã - somente hoje. Não existe manhã nem tarde - só meio-dia. Só lá o oceano não tem praias, nem a linha fim!
Para nos representarmos a eternidade de um modo intuitivo, o melhor seria empregar um círculo em vez de uma linha. Uma linha, por maior que seja, sempre terá fim. O círculo, pelo contrário, não tem fim; cada um dos seus pontos é princípio e fim ao mesmo tempo. Recordemos as belas palavras de Santo Agostinho: " Vós, pobres, que vos falta, se tendes a Deus?  Vós, ricos, que tendes, se vos falta a Deus?  " Só assim podemos compreender aquela frase de Gardony: " Se tens a Deus, tens tudo; mas se não tens a Deus, não tens, nem terás nunca absolutamente nada". Só então se realizarão os anseios da prova de Berzsenyi: "Prostro-me com fervor ante o teu acatamento, ó meu Deus! Quando minha alma se libertar destas peias e conseguir aproximar-se mais se ti, só então verá realizados os seus anseios".
Ah! realmente a vida eterna bem merece que empregue toda esta pobre vida terrena para a alcançar. 
" Toda a pobre vida terrena, para alcançar a coroa da eternidade!".

23 de set de 2011

São Pio De Pietrelcina e as Almas.


Salvação das Almas.

Padre Pio suportou tudo pela salvação das almas. Era o primeiro a levantar-se às 3:30 h e o último a sair da igreja. Atendia em confissão até tarde da noite e continuava em oração pelos casos difíceis e dolorosos. Por cinquenta anos trouxe em seu corpo as chagas visíveis de Cristo. Caminhava com dificuldade em virtudes das muitas dores decorrentes das chagas nos pés.
Dizia: " Se ao menos quisessem aproveitar as graças pelas minhas dores, se soubessem o preço que pago para resgatar tantas almas".
"As almas! As almas! Se alguém soubesse o preço que custam".


São Pio De Pietrelcina, Rogai por nós!.

18 de set de 2011

A Fé na vida Eterna


 "A fé na vida eterna é energia para a vida".

Quem não crer na vida eterna assemelha-se a uma ponte que ruiu no meio do rio, e já não pode alcançar a outra margem. Pelo contrário quem tem fé, recebe das suas crenças asas com que pode remontar-se às maiores alturas, por cima do mundo. Não deixava de ter razão um sociólogo americano ao afirmar que a fé na alma imortal, e o esforço que se faz para lograr a eternidade é " o maior fato de civilização de toda a historia"; porque esta fé, ao fixar um objetivo à vida do homem transforma-a por completo.
A fé na vida eterna é que da ao Cristianismo a importância e valor, a sua força sublime e a sua magnifica atividade. É o objetivo que necessariamente temos de alcançar. Quem não vive a vida religiosa dos cristãos fervorosos, não pode conceber a imensa força moral que dimana da fé na vida eterna. Quanto não rezam e lutam os fieis para a alcançar! Quantas mortificações e outras boas obras não praticam! Precisamente por causa desta crença, existem os sacramentos, o sacrifício e a abnegação, os jejuns e a auto-disciplina, as igreja, os conventos, as imagens sagradas, os crucifixos, as peregrinações. Daí provém a luta incessante contra a nossa própria natureza propensa ao mal. Daí, ainda a grave seriedade com que se escutam as palavras do Senhor:  "Procurai por entrar pela porta estreita, porque vos asseguro que muitos procurarão entrar e não conseguirão".  Há quem nos lance em rosto que o Cristianismo amesquinha o valor desta vida, por falar continuamente da vida futura, e da eternidade. É exatamente ao contrario: a fé na vida eterna aumenta o valor da vida terrena.  Segundo o nosso modo de ver, a vida eterna depende da vida que se leve neste mundo. Por isto precisamente aos nossos olhos adquire um valor imenso a vida que aqui vivemos. Da fé na vida eterna nasce a preseverança incansável no trabalho. Isto parece uma contradição. Contudo, o trabalho fatigante e monótono de todos os dias sobre o qual se baseia e se sustenta a civilização humana, somente podem suportá-la aqueles em cuja alma a fé gravou, com fogo, a consciência do dever, a segurança de que cumprem exatamente os deveres da vida terrena. Por outra parte, a fé na vida eterna contem, igualmente, nos justos limites, o trabalho humano e o desejo instintivo de entesourar riquezas neste mundo. Quem não crer na continuação da vida terrena, cifra todo o seu afã, naturalmente, em apegar-se com os dez dedos ao dinheiro e aos bens materiais; não os repartirá com ninguém, e para os conseguir chegará a atropelar a todo mundo. Quem vive da fé na vida eterna, considera transitória esta vida, e não reconcentra nela todos os seus cuidados, todo o seu trabalho.  A este cristão fiel não lhe bastará tudo o que lhe possa oferecer o mundo. O que ele quer é a felicidade eterna. Tem por modelo do seu ideal a S. Filipe Néri. Ao ouvir o santo que o Papa queria faze-lo cardeal, lançou ao ar o barrete e exclamou :
- " Paraíso! O que eu quero é o paraíso e não a púrpura! ".
A estes homens, não lhe basta a "eternidade" que apregoam os incrédulos:
- " os teus átomos seguirão rodando sempre no espaço, já que nada se perde", " levantar-te-ão uma bela estátua"....
Oh! isto a mim não me basta. Ao morrer que não se escreva a minha vida com letras mortas, num papel morto; que não se me erija uma estátua, para que a minha imagem, talhada em pedra morta ou bronze, continue de pé, muda e cega, à beira do caminho.... Quero uma vida para além da morte. Quero a vida real, a vida eterna. Quem me criou para a vida eterna, há de dar-me então vida nova, uma vida mais bela, mais feliz e que nunca se extinguirá. Tal é o fim sublime para que nos impele a fé na vida eterna.

11 de set de 2011

O fogo do Purgatório.

Além do sofrimento da pena do dano ou da privação da vista de Deus, da posse da visão beatífica, a Igreja nada definiu sobre a natureza das outras penas do Purgatório.  O Concílio de Florença diz que as almas são privadas temporariamente da visão beatífica e são purificadas de toda mancha por penas expiadoras. Dentre estas penas está a dos sentidos, e comumente concordam quase todos os autores, se trata da pena do fogo no purgatório e um fogo terrível criado pela justiça Divina, para purificação dos justo, para acrisolar o ouro das almas. Os teólogos em geral e em sentença comum, afirma que se trata de fogo verdadeiro e não metafórico. Fogo que queima mil vezes mais que o fogo da terra, que comparado a ele não é mais do que o de uma pintura para a realidade. Os santos Padres e os Teólogos escolásticos admitem o fogo real. Como pode um fogo material atormentar a alma que é espiritual?  É um mistério. todavia, não temos outro mistério que é o da alma espiritual agir sobre o corpo material  Por que a justiça de Deus não poderia fazer com que o fogo material agisse sobre a alma espiritual?   Diz claramente santo Tomás de Aquino:
" No Purgatório há dois sofrimentos: a pena do dano, que consiste no retardamento da visão de Deus, e a pena dos sentidos, castigo proveniente de um fogo material. A questão do fogo do Purgatório foi muito discutida no século IV. Santo Agostinho conclui pela existência do fogo material. No século XIII Santo Tomás segue a opinião de Santo Agostinho. A pena do fogo! Como é terrível! Não é menor em intensidade do fogo do inferno. Este fogo, diz São Gregório Magno, instrumento da Divina Justiça, faz sofrer mais tormentos e muito mais cruéis do que tudo quanto sofreram os mártires nos suplício inimagináveis. As maiores dores são as que afetam a alma, comenta Santo Tomás. Toda a sensibilidade do corpo vem da alma. O que não será uma dor que vem ferir diretamente a alma?  Pois o fogo material, fogo misterioso, dotado de um poder extraordinário, pela justiça Divina, atinge directamente a alma e a fere dolorosamente. Que fogo, meu Deus! que castigo tremendo! Como sofrem as pobres almas nesta fornalha abrazadora! Tantas revelações particulares nos mostram o fogo do Purgatório, fogo real, fogo terrível. verdadeiro fogo.
Porque discutir quanto a unanimidade quase dos Doutores e santos Padres e tantos teólogos seguros nos falam com uma eloquência tão impressionaste da realidade do fogo do Purgatório?  São Boaventura escreve: " O fogo do Purgatório é um fogo material que atormenta a alma dos justos que não fizeram penitencia neste mundo. Fogo! Esta palavra faz tremer. Já exclamava Isaías: que dentre vós poderá habitar em meio de um fogo devorador?  Façamos penitencias agora, aliviemos o fogo de nosso Purgatório.
É terrível o fogo que nos espera!

5 de set de 2011

As almas do Purgatório na Hora da Morte dos que as Socorrem.


É certo, diz um autor, a ingratidão não pode existir no Purgatório. Aquelas benditas almas hão de proteger e socorrer os que as aliviam nesta vida com seus sufrágios. O célebre Cardeal Baronio conta que uma pessoa devota das almas foi terrivelmente tentada na hora da morte. Estava desolada e quase em estado de desespero, quando uma multidão de pessoas veio em seu auxílio. Logo ficou livre de toda tentação e entrou em doce paz. Perguntou curiosa: 
- Que multidão é esta que entrou aqui e na mesma hora senti tanto alivio e fui socorrida pelo céu?
- Somos as almas que tirastes do Purgatório, responde uma doce voz e viemos buscar vossa alma para juntos entramos no céu. Ao ouvir estas palavras, a agonizante feliz sorriu e expirou:
São Felipe Néri era também devotíssimo das almas, e, cheio de caridade, nunca deixou de socorre-las em toda sua vida. Muitas vezes lhe apareceram para lhe testemunhar uma gratidão profunda. Depois da morte do Santo, um dos seus confrades o viu na glória do céu, cercado de uma multidão de bem-aventurados no esplendor da glória eterna.
- Que corte é esta que vos cerca?   pergunta o Padre.
- São as almas que livrei do Purgatório e que salvei. Vieram me acompanhar na glória.
Um dia Santa Brígida, numa visão que teve do Purgatório, ouviu a voz de um anjo que descia do céu para consolar as almas e repetia:
- Bendito seja aquele que ainda na terra enquanto vivo, ajudar as almas do Purgatório com suas orações e boas obras! A justiça de Deus exige que necessariamente as almas sejam purificadas pelo fogo, e as obras dos amigos das almas as possam livrar do sofrimento.
Dos abismo a Santa ouviu também esta suplica:
" Ó Cristo Jesus, nosso Juiz justíssimo, em nome da vossa misericórdia infinita, não olheis as nossas faltas que são inumeráveis, mas os méritos do vosso Preciosíssimo Sangue na Paixão! Senhor, fazei que os eclesiásticos, religiosos e prelados, com um sentimento de caridade que vós lhe dareis, venham nos socorrer em nossa triste situação por suas orações,esmolas e indulgências, que eles nos tirem de nossa tristes situação."
Outras vozes respondiam agradecida: Graças, mil graças, Senhor, a todos os que nos aliviam em nossas desgraças. Senhor, que o vosso poder pague o cêntuplo aos nossos benfeitores que nos levaram a vossa eterna e divina luz.
Era a voz da gratidão do Purgatório. Na morte e depois da morte seremos recompensados pelo que tivermos feito em sufrágio das benditas almas do Purgatório.

7 de ago de 2011

A Terra é um Vale de Lágrimas.

Diariamente sobe dos nossos lábios até à Virgem Santíssima esta súplica filial : " A vós suspiramos, gemendo e chorando neste vale de lágrimas". É uma grande verdade. Para nós a terra é um vale de lágrimas. Como uma procissão interminável de peregrinos, os homens vão serpenteando por este mundo. Cada um, pequeno ou grande, pobre ou rico, novo ou velho, homem ou mulher, tem de levar a própria cruz aos ombros. Vai percorrendo com ela as estações da vida, até chegar ao fim.
Porque ao fim chegamos todos......
Mas neste mundo tudo passa, não é uma loucura edificar a nossa vida sobre o que é transitório? Não ouves na tua própria casa como o tempo vai serrando incessantemente a árvore da tua vida? Quantas oscilações executa o pêndulo do relógio de parede tic-tac, tic-tac outras tantas realiza a serra que vai cortando a árvore da tua existência. Pode haver homem tão néscio que queira levantar para si um lindo palácio, uma casa com muitos andares, uma moradia esplêndida sobre a areia, sobre a terra movediça? Eternidade!....... sim, é a armação de ferro. Eternidade!.....sim, é o alicerce sobre o qual posso edificar com segurança. 
O oceano do tempo vai arrastando incessantemente os blocos de gelo da vida. Mas nós temos um parapeito resistente, a que nos podemos segurar contra as vertigens. É a fé na vida eterna. E se for capaz de escutar, com semelhantes pensamentos, as advertências da morte, no momento da despedida verificar-se-á também em mim a promessa do Salmo : " Quem se acolhe ao asilo do Altíssimo, descansará para sempre sob a protecção de Deus do Céu. E dirá ao Senhor : Vós sois o meu amparo e refúgio : o meu Deus em quem esperarei.(Salmo, 90,1-2)

4 de ago de 2011

O Sentido da Vida.

Se perguntássemos a um moribundo: "que epitáfio devemos colocar em seu tumulo?" ele responderia: "aqui está um insensato que saiu deste mundo sem saber como nele entrou". Há muita gente que saiu deste mundo sem saber como entrou". Há muita gente que saiu deste mundo sem saber o objetivo de sua vinda e não se preocupou com isso. Não podemos fazer a mesma coisa.
Há muitos cristãos que não sabem o que estão fazendo neste mundo.
- Por que, ó meu Deus, me pusestes no mundo?
- Para salvar-te.
- E por que quereis salvar-me?
- Porque te amo.
Deus nos criou e nos pôs no mundo porque nos ama. Para salvar-nos é preciso conhecer, amar e servir a Deus. Que vida maravilhosa! Como é belo, como é grande conhecer, amar e servir a Deus! Não temos outra coisa a fazer no mundo. Tudo o que fazemos fora disso é tempo perdido.
As pessoas do mundo dizem que é muito dificíl salvar-se. Ao contrário, não há nada mais fácil : basta observar os mandamentos de Deus e da Igreja, evitar os sete pecados capitais; ou, se preferir-se: fazer o bem evitando o mal...
Eis uma boa regra de conduta: não fazer senão aquilo que podemos oferecer a Deus. Porém não podemos oferecer-lhe maledicência, calúnias, injustiças, cóleras, blasfêmias, espetáculos. Ai de nós se só fizermos isso no mundo! É necessário trabalhar neste mundo, é necessário combater. Teremos toda a eternidade para descansar. Deveríamos fazer como os pastores que estão fora durante o inverno ( e a vida é um inverno bem longo ) que fazem fogo e, de tempos em tempos, correm por todos os lados procurando lenha, a fim de alimentar esse fogo. Se nós soubéssemos, como eles, alimentar sempre o fogo do amor de Deus, pelas orações e pelas boas obras, ele nunca se apagaria. Estamos na terra como num entreposto, só por um momentinho. O Bom Deus no colocou na terra para ver como vai a nossa conduta, e saber-se nós o amamos; mas ninguém fica na terra.


( São frases do Cura d'Ars )
Hoje é o dia de São João Maria Vianney (Cura d'Ars)
o patrono do clero.

Viva São João Maria Vianney!
Vivas! Vivas! Vivas!
São João Maria Vianney, Rogai por nós!

31 de jul de 2011

A Pena do Dano

                           
Que é a pena do dano que padecem as almas do purgatório?
É a que sofrem por se verem privadas da visão de Deus no céu. A visão intituitiva que consiste na felicidade de ver a Deus como é, segundo a palavra de São Paulo : Não ver a Deus, cuja beleza soberana e cuja bondade elas compreendem agora de modo tão claro e sentem ser Ele o Soberano Bem, único desejável e a suprema Beleza, única que pode encantar uma alma!
Pois separada do Soberano bem, a alma sente um horrível martírio mais insuportável do que todos os tormentos que possa padecer e até do fogo do purgatório em que se acha. Santo Tomás de Aquino tratando da pena do dano, diz ser mais insuportável, maior e mais terrível que a pena do sentido. Não ver a Deus, não possuir este Deus, único encanto da pobre alma que já não tem mais nada que a possa seduzir ou enganar, e deixa-la esquecida da Suprema Felicidade! Aqui neste mundo a tibieza, o apego à terra e nossa fraqueza, fazem com que muitas vezes nos esqueçamos de Deus e vivamos sem sentir e nem imaginar sique o que seja estar separado de Deus. Há quem não possa sique imaginar o que possa haver de sofrimento nesta ausência de Deus que é a pena do dano. Porém,ai! quando a alma separada deste corpo mortal sentir a necessidade de voar para Deus, de possuir a Deus, atraída pelo Bem Infinito, sedento da posse de Deus e da Eternidade, então há de sentir, há de perceber quanto é doloroso e horrível estar um minuto que seja separada do Bem Soberano, separada de Deus!  É a horrível pena do dano. " Sentir um ímpeto de ir para Deus sem o poder satisfazer, isto, diz Santa Catarina de Génova, é o maior sofrimento que se possa imaginar, é propriamente o Purgatório. Este estado é um estado de morte, uma angústia inenarrável ". A Liturgia da Igreja chama-o com razão de morte....
Sabeis o que é o suplício de quem está sufocado e não pode respirar? Que horror! A alma está como sufocada, não pode respirar o que é a vida e razão de ser, Deus, o Infinito, o Eterno, o Paraíso! A pobre alma no Purgatório se precipita no tormento e no fogo, quer se purificar, suspira pelo Bem Eterno, sofre e sofre, mas deseja mais sofrimento para que chegue logo a hora de contemplar o seu Deus, a Eterna Beleza que a atormenta naquelas chamas da expiação! Tem-se visto neste mundo, afeições tão profundas, pessoas que se amavam e não puderam suportar a separação e morreram de dor. Que não será no Purgatório? Podemos dizer que si Deus por um milagre da sua Onipotência não sustentasse as almas do Purgatório, elas ficariam aniquiladas de dor longe daquele Deus que amam apaixonadamente. Si compreendêssemos melhor como é horrível a separação de Deus! Si como os Santos experimentássemos as provações da vida mística, o tormento de se sentir ausente de Deus, saberíamos avaliar o que é e o que faz sofrer esta terrível pena do dano!

24 de jul de 2011

O Dever da Decisão Firme.


Se tudo corre para a morte, se um dia tudo há de fugir-me das mãos, saúde, beleza, dinheiro, gozo, fortuna, dignidade, fome, numa palavra, tudo! 
-neste caso, a terra não pode ser tudo para mim, mas há de selo a vida eterna. A terra e as coisas que ela me oferece, não hão de ser senão meios para alcançar a vida eterna. Quando Dante, na sua viagem imaginária, chegou à porta do Paraíso, antes de entrar, dirigiu um último olhar para a terra. " Voltei o rosto e vi através das sete esferas, escreve, vi a terra.  Era tão pequena, que ao vela sorri. O que? Este lugar tão diminuto é aquele que nos absorve por completo tão frequentemente? " Não se apoderou também de nós o mesmo sentimento quando no último instante do ano deitámos um olhar retrospectivo pelo ano que ia findar? Como se reduzem a um ponto mínimo os 12 meses, as 52 semanas, os 365 dias do ano que já passou! Foi este o ano que tantas vezes nos pôs orgulhosos, que nos fez tão atrevidos e tão pecadores ?
Ah! para quantos homens a terra é tudo! A terra e seus gozos, o seu oiro, as suas riquezas, o seu dinheiro.  "Quem tem dinheiro, tem tudo", diz-se tantas vezes.
E contudo, não é verdade. Com dinheiro podes comprar alimentos, mas não apetite. Com o dinheiro podes comprar remédios, mas não a saúde. Podes comprar colchões bons, mas não sono aprazível. Podes comprar conhecidos mas não amigos. Podes comprar criados, mas não a fidelidade. E principalmente, com dinheiro podes comprar uma bela sepultura para teu corpo no cemitério, mas não o lugar para tua alma na vida eterna.... Não, mil vezes não! Sejamos, pois prudentes. Agora ainda é tempo. Deus deixa ainda nas nossas mãos o curso da vida. Não a desbaratemos. Santo Agostinho, ponderando o valor do tempo, diz : "Os segundos são sementes da eternidade".  O tempo é tão precioso e de tanto valor como a eternidade, ainda mais, como o mesmo Deus. Porque com o tempo bem aproveitado podemos ter a eternidade feliz, e obter a Deus.

16 de jul de 2011

O Privilégio Sabatino.

Se os Santos podem consolar as almas do Purgatório, imaginemos como o pode fazer Maria Santíssima, que sempre é uma Mãe amorosa. Lemos nas revelações dos Santos que o sábado, dia dedicado à Virgem, é dia de festa no Purgatório, porque a Mãe da Misericórdia desce àquele penoso cárcere para visitar e consolar seus filhos e filhas. Em Virtude do privilégio sabatino, aqueles que usam o escapulário da Virgem do Carmo e cumpriram as condições requeridas, são liberadas do Purgatório no primeiro sábado depois de sua morte.
Nas festas de Maria e, em especial na Assunção, a Virgem Santíssima desce ao Purgatório e libera uma multidão de almas.
Isto é testemunhado por São Pedro Damião e o confirma a seguinte narração:
Sendo piedoso costume do povo romano visitar as igrejas com círios na mão durante a noite da vigília da Assunção, sucedeu que uma nobre senhora, enquanto estava ajoelhada na Basílica de Santa Maria, com grande supresa vê aparecer, diante dela, uma mulher que conhecia bem e que tinha morrido naquele mesmo ano. Foi esperá-la à porta da igreja e ao vê-la sair, tomou-a pela mão e levando-a à parte, lhe perguntou: " não é você minha madrinha Marozia, que me levou à pia batismal? "
- "Sim, respondeu a falecida. Sou eu mesma."
- "Como é que você se encontra entre vivos se já faleceu há vários meses? E que lhe aconteceu na outra vida?"
- "Ate hoje, respondeu a alma, fiquei mergulhada em um fogo ardente por muitos pecados de vaidade que cometi em minha juventude, mas no dia desta grande solenidade, a Rainha dos Céus, descendo em meios às chamas do Purgatório, libertou-me junto com muitas almas, para nos levar ao Céu no dia de sua Assunção. Todo ano, a Divina Senhora renova este milagre de misericórdia e o número de almas que ela liberta desta maneira se iguala ao da população de Roma ( naquele tempo Roma contava com cerca de 200.000 habitantes ). Em reconhecimento a esta graça, nós nos recolhemos, nesta noite, nos Santúarios consagrados a Ela e, se teus olhos vêem só a mim, não estou sozinha, somos uma grande multidão."
Vendo que a afilhada permanecia atônica, completa: "Como prova da verdade do que lhe disse, lhe anuncio que morrerá daqui a um ano, nesta mesma festa."
São Pedro Damião conta que a piedosa senhora depois de um ano, no qual aproveitou para exercitar muitas virtudes e preparar-se dignamente para a morte, caiu doente em véspera da Assunção, morreu no dia da festa, tal como o havia predito sua madrinha.
( texto tirado do livro O Purgatório 
A Última das Misericórdias de Deus. 
O autor Padre Dolindo Ruotolo, Franciscano da Ordem Terceira.)


Nossa Senhora do Carmo, Rogai por nós!
Viva Nossa Senhora do Carmo!
Vivas! Vivas! Vivas!

10 de jul de 2011

Dai sempre graças a Deus.

A morte adverte-nos dos nossos deveres.
A consciência desta grande responsabilidade, desperta em nós o sentimento do dever. Temos um duplo dever 1- Mostrar gratidão filial para com o nosso Deus pelo amor de que nos deu provas até ao presente.
2- fazer propósitos firmes para o futuro.
quando pensamos na morte, o nosso pensamento deve ser também de ação de graças. Nunca poderemos dizer com a alma tão comovida como nestes momentos cheios de emoção, as palavras com que principia o prefácio da Santa Missa : " Verdadeiramente é digno e justo, eqüitativo e salutar que te demos graças em todo o tempo e lugar, Senhor Santo e Pai todo poderoso... É justo que te demos graças por todos os bens e que nos concedeste durante a vida e por todas as tribulações com que nos visitaste.
Dar graças pelo bens recebidos. Em primeiro lugar devo dar graças a Deus pelos muitos bens espirituais de que me fez participante nas orações que rezei, nas missas que participei, e nos sacramentos que recebi. Depois pelo perdão que tantas vezes me concedeu, admitindo-me novamente à sua amizade, apesar de minha culpas. Pelo amor sem medida com que vem ao meu coração na sagrada Eucaristia. Pela abundância sem conta da graça santificante e atual, que somente compreenderei na vida eterna. Aí verei as quedas de que me preservou esta graça. Por tudo isto devo dar sentidas graças a Deus. Além disso, devo dar-lhe graças pelos bens corporais : pela saúde e pelo pão de cada dia, pela minha familia e pelos meus amigos, pelos meus êxitos e pela minha cura. Sim. O próprio instinto nos inclina à gratidão pelos benefícios recebidos.  Hei de dar graças não somente pelos benefícios recebidos, mas também pelos sofrimentos e provas com que Deus me visitou na vida passada. Isto já custa ao homem. A vida terrena coloca todos os homens diante de muitos e árduos quebra-cabeças. Oxalá fossem muitos os que lhes soubessem encontrar a solução! Oxalá todos tivessem a habilidade e paciência necessárias! Porque os que não entendem, não verão mais que linhas negras de desgraças e provas, cruzadas sem nenhuma finalidade. Pelo contrário, o homem ajuizado sabe que aos olhos da Providência, mesmo as linhas negras tem sentido, objetivo e signifiacado talvez desconhecido para nós. É pena que muitos não queiram compreender. E contudo, a verdadeira solução do quebra-cabeças é esta : entoar o Te-Deum, mesmo nos fracassos. Entoar o Te-Deum , mesmo no meio da doença e das privações. É precisamente a eles que se dirige S. Paulo : " Dai sempre graças a Deus Pai, por tudo, em nome de Nosso Senhor Jesus Cristo.

3 de jul de 2011

Devoção em favor das santas almas do Purgatório.


Se a terra e o céu estão cheios da glória de Deus, não se encontra ela menos nessa triste mas interessante região onde estão retidas pela justiça dum Salvador pleno de amor, longe da visão beatifica, prisioneiros que alimentam esperança ; e se nos é possível servir os interesses de Jesus na terra e no céu, ouso dizer que podemos fazer ainda no purgatório. O que me esforço em demonstrar aqui, é a maneira como podeis servir a Deus com vossa orações, com vossas praticas de devoção, quaisquer que sejam, por outro lado, as ocupações e deveres do vosso estado, dirigindo principalmente vossas intenções para o purgatório.Pois não obstante a opinião de muitos teólogos, que, confessando aliás que as Santas almas não opõem nenhum obstáculo á eficácia das orações que se fazem por elas, pretendem que o efeito destas mesmas orações não é infalível ; é certo com tudo que efeito é muito mais seguro que o das orações que dirigimos a Deus pela conversão dos pecadores, cuja perversidade e más disposições paralisam tão freqüentemente os esforços feitos em seu favor. Na ordem de São Domingos, dois bons Irmãos discutia entre eles, a respeito do mérito da devoção, que tem por objetivo a conversão dos pecadores, e a devoção as santas almas do purgatório. Frei Beltrão era o defensor dos pobres pecadores, aplicava sempre a missa por eles e oferecia todas as suas penitencias e orações pela intenção de obter a graça da sua conversão. " Os pecadores privados da graça, dizia ele, estão num estado de perdição ; o espírito maligno não cessa de lhes armar emboscadas, afim de os privar da visão beatifica e leva-los para a estância das dores eternas.  Nosso Senhor desceu do céu e sofreu por eles a morte mais cruel. Haverá nada melhor que seguir o seu exemplo e trabalhar com ele na salvação das almas ?  Quando se perde uma alma, perde-se ao mesmo tempo o preço da redenção. Quanto as almas do purgatório, já estão em segurança ; tem a certeza da sua salvação eterna. E verdade que estão mergulhadas num mar de dores, mas sabem que por fim hão de sair dele ; são as amigas de Deus , ao passo que os pecadores são inimigos dele ; e viver na inimizades de Deus é o maior dos males."
Frei bento não advogava com menor calor a causa das almas que sofrem. Oferecia por intenção delas todas as missas de que podia dispor, bem como as orações e as penitencias que se impunha.. " Os pecadores, dizia ele, estão presos nas cadeias que eles mesmos se fabricam . Podem sair do caminho da iniquidade quando lhes aprouver.  O jugo que suportam é obra sua. Enquanto que os mortos, de pés e mãos atadas, são retidos contra sua vontade em meios das torturas mais cruéis. Escutai, meu irmão, façamos uma comparação. Suponhamos que temos na nossa presença, neste momento, dois mendigos. Um deles, robusto e saudável, pode fazer uso de suas mãos e trabalhar, se quiser, mas prefere sofrer os rigores da pobreza a renunciar as delicias da preguiça ; o outro, pelo contraio, doente, paralítico, impossibilitado de fazer coisa alguma, não pode, na triste condição a que se ver reduzido, deixar de implorar a caridade dos transeuntes com seus clamores e lágrimas. Qual dos dois é mais digno de piedade, principalmente se o ultimo é presa dos mais acerbos sofrimentos ?  E esta precisamente a historia dos pecadores e das almas do purgatório. Estas suportam o martírio mais cruel e estão impossibilitadas de fazer seja o que for em seu próprio beneficio. É verdade que merecem estes suplícios por seus pecados ; mas agora estão purificadas dessas manchas. necessariamente entraram em graça com Deus antes de morrer, doutro modo não se teriam salvado. Portanto, são agora caras a Deus, indizivelmente caras; e uma caridade bem ordenada deve conformar-se com os sábios afetos da vontade divina, e estimar mais o que Deus mais estima." Sem embargo, Frei Beltrão não queria ceder, embora se visse impossibilitado de dar uma resposta satisfatória as objeção do seu amigo. Mas na noite seguinte teve uma visão, que parece o convenceu inteiramente, pois desde aquele momento mudou de pratica, oferecendo todas as missas, todas as orações, todas as penitencias pelas santas almas do purgatório. A autoridade de Santo Tomás parece vir em auxilio da opinião de Frei Bento, quando o doutor da Igreja se exprime assim : " A oração pelos mortos é mais agradável aos olhos de Deus, que a oração pelos vivos, pois os defuntos tem maior necessidade de socorros, porque se não podem auxiliar a si mesmos, como os vivos. 

26 de jun de 2011

A dor é um farol que nos ilumina, que nos purifica....

" Toda criatura geme", diz-nos São Paulo e o homem sofre mais do que qualquer outra. A dor é como um dardo que fere de continuo o coração humano acompanhado-o do berço até o túmulo. Exactamente ele ri, graceja, faz cara alegre, como para persuadir a todos de que está contente com a sua vida. Mas debaixo dessa aparente alegria, quantas misérias se ocultam! Quantos rostos choram debaixo da máscara que os cobre! Quantos corpos minados pela doença ou torturados por enfermidades secretas! Quantos corações desconhecidos, abandonados, obrigados a recalcar em si mesmos sua ternura muda! Ajuntai a isto a pobreza com o seu cortejo de humilhações, de trabalhos forçados e às vezes repugnantes, e vos aparecerá empolgante de verdade a palavra dos nossos livros santos : " O homem está cheio de muitas misérias". Entretanto ao sofrimento ninguém se acostuma. Fato tão universal sabe sempre apresentar-se em baixo de novos aspectos : é porque o sofrimento não é um fato como os outros, é ele um escândalo para o nosso coração, e mais do que ninguém talvez o cristão tem motivo de admirar-se disto, porque, à primeira vista, parece inconciliável com os atributos divinos.
De fato, se Deus é a própria Bondade, por que deixa seus filhos na desgraça? Eis  uma das objecções que mais comummente os homens apresentam. Que estes homens de o trabalho de abrir as primeiras páginas do Gêneses e ler o que a fé nos ensina a este respeito. Deus é amor e foi por amor que criou o mundo, dando-lhe como rei o homem, criatura inteligente e livre. Só neste mudo o homem é livre e pode oferecer a Deus uma homenagem digna dEle : a de um coração voluntariamente submetido à sua lei. Mas a liberdade é como uma arma com a qual podemos nos defender ou ferir, e o homem se serviu desse dom divino, que devia ser para ele uma fonte de méritos, para sua ruína : o homem, livre de se unir  Deus, preferiu, por uma estranha aberração, procurar fora dEle a perfeição e a felicidade. O gesto de Adão teve consequencias incalculáveis. Adão se vê em presença de uma terra hostil, eriçada de sarça e povoada de animais ferros. Ei-lo constrangido ao trabalho e a uma luta sem mercê e a própria morte prevalece sobre aquela criatura destinada à imortalidade.
Tal é a origem do sofrimento. Não foi Deus que o fez, tão pouco como a morte. Não se pode incriminar nem sua bondade nem seu poder nem sua sabedoria, foi ele que abusando de sua liberdade fez em si mesmo essas profundas feridas que sangram ainda.
A nós, pobres filhos de Adão não restaria que sofrer, desesperados, as consequencias do pecado original se Deus providentíssimo não tivesse, com um ato infinito de sua misericórdia, reparado a malícia do homem. E eis o próprio Deus que baixa à terra, que se veste da carne humana, que se faz em tudo semelhante ao homem, que sofre como os homens, que morre para nos salvar. E aquela cruz sobre a qual sofreu e morreu o Deus-Homem, de um símbolo de ignomínia torna-se um facho que ilumina. Com a cruz Nosso Senhor transformou o sofrimento, o santificou, e nós, os irmãos de Jesus Cristo, não vemos mais dor somente um castigo do pecado, mas um farol que ilumina, que nos purifica, que nos torna mais piedosos e mais caritativos, desenvolvendo em nós a caridade, para com Deus e a benevolencia para com o próximo.

23 de jun de 2011

Festa do Santíssima Corpo de Deus.


" O Pão que vive e dá a Vida ao mundo"
O Centro de nossa vida deve ser o Sacrifício da Missa, no qual recebemos como fruto a Ceia sacrifical. Se queremos celebrar " Corpus Cristi " no espírito da liturgia, então devemos dar à Santa Missa o lugar principal em nossa alma. Com ela comparadas, todas as devoções e atos do culto estão em segundo plano e não devemos desviar a nossa atenção do Centro. E se sabemos que a Missa é realmente  preciosa . Então nos esforçaremos por participar cada vez mais ativamente do Santo Sacrifício. Toda nossa vida cristã será mais enraizada na morte e na Ressurreição do Cristo ; assim o fruto do Sacrifício será a força de nossa vida. Este é o sentido da sagrada Eucaristia. No Batismo, somos consepultados com Cristo para a morte; pela Eucaristia, repetindo constantemente a morte mística do Cristo, somos levados à nossa Ressurreição.

19 de jun de 2011

Festa da Santíssima Trindade.

Consideremos como a nossa vida inteira está sob a influência da Santíssima Trindade e como, em seu nome, os Sacramentos e bençãos são distribuidos. Assim o Batismo : " Eu te batizo em nome do Pai do Filho e do Espírito Santo", a Penitência : " Eu te absolvo, em nome do Pai do Filho e do Espírito Santo". No leito da morte, o Sacertode diz : " deixa este mundo, alma Cristã, em nome do Pai, que te criou, em nome do Filho que te remiu, em nome do Espírito Santo que sobre ti foi derramado". A vida do Cristão começa e termina em nome da Santíssima Trindade. Por isso comecemos e concluamos cada dia, cada obra, cada oração com as palavras : " Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo". Recordemos ainda as muitas orações da Igreja que são dedicadas à Santíssima Trindade. Em primeiro lugar o Glória Pai..... Esta oração é certamente a que mais vezes é repetida na Igreja. Cada salmo termina por ela, cada Hora do Óficio divino é por ela iniciada. Pode-se afirmar, realmente, que é o ritmo da respiração da própria Igreja. Cada sacerdote a reza com certeza ao memos 50 vezes por dia, e assim, esta oração se torna um sublime louvor à Santíssima Trindade. O " Glória Pai" é o pequeno hino de louvor, enquanto o grande hino é o "Glória in excelsi Deus", da Missa, que é um canto de louvor à Santíssima Trindade ainda mais elevado. Também o "Te-Deum" é um hino de louvor e ação de graças ao Deus Trino. A Igreja o reza no fim das Matinas. Há ainda grande número de orações em honra da Santíssima Trindade. Encontramo-las no Ordinário da Missa. Assim, toda a Ante-Missa tem estrutura trinitária : Kyrie é súplica, o Glória, louvor à Santíssima Trindade. A Oração termina implorando as três Pessoas divinas. As palavras de Deus na Epístola, no Evangelho e na Homília, são em nome da Santíssima Trindade, e , finalmente o Credo é a confissão solene de nossa fé no Deus Trino. A Oração mais bela, porém  em honra da Santíssima Trindade é o próprio Santo Sacrificio da Missa. Ela é por excelência o sacrificio de louvor, súplica e ação de graças à Santíssima Trindade.

12 de jun de 2011

Ofício Ao Divino Espírito Santo.



MATINAS

Pai Nosso......   Ave Maria.....
Senhor, abri meus lábios,
e minha boca anunciará vossos louvores.

Espírito Santo, vinde em meu auxilio,

Senhor, apressai-vos em me socorrer.

Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo.
Assim como era no princípio é agora e sempre. Amém.

O ESPÍRITO SANTO é o Amor do PAI e do FILHO, é
o divino santificador de nossas almas. Vinde adoremo-lo.



HINO


Ajudai minha fraca voz, Espírito Santo, afim de que eu celebre dignamente vossa glória. 
Vós sois a fonte inesgotável de todas as graças, o dom de Deus Altíssimo, o Espírito que vivifica nossas almas e lhe imprime o caráter da divina adoção. É por vós que a Terra é renovada e vosso sopro a fecunda e nela faz brilhar todas as virtudes.

ANTÍFONA - " Eu vos darei um coração novo e colocarei um novo Espírito no meio de vós. " O Espírito do Senhor repousou sobre mim. Porque o Senhor me encheu de sua unção, escutai minha prece, Espírito de graça. E que meus clamores se elevam até vós.


ORAÇÃO 

Nós vos suplicamos Senhor, de nos assistir sem cessar pela virtude de vosso Santo Espírito, a fim de que, purificando por sua misericórdia nossos corações que se consagraram como seus templos, os enriqueça de seus preciosos dons e os faça gozar a doçura de seus frutos. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho que, sendo um só Deus convosco e mesmo Santo Espírito, vive e reina por todos os séculos dos séculos. Assim seja.

VERSÍCULO

Escutai a minha prece, Espírito de Graça.
Bendigamos ao Senhor.
Graças eternas lhe sejam dadas.
Que as almas dos fiéis defuntos, repousem
em paz pela misericórdia de Deus.Amém.


LAUDES


Espírito Santo, vinde em meu auxilio.
Senhor, apressai-vos em me socorrer.
Glória ao Pai.......


HINO

Ó Espírito de vida e força, que pode o homem
sem vosso socorro? Sem vós, tudo é frio e aborrecido,
tudo cai em estado de morte. Mas quando apareceis,
tudo se reanima, se desperta e a alma acabrunhada
pela própria fraqueza se atira com alegria nos
caminhos dos preceitos do Senhor.
Sois vós que sustentais os santos nos seus mais violentos
combates. Sois vós que os fazeis alcançar a palma do martírio.


ANTÍFONA - Toda a Terra está cheia da misericórdia do Senhor !
Os céus foram firmados pelo verbo de Deus e toda a força vem do seu
Espírito.


O Espírito santo virá a vós.
E a virtude do Altíssimo vos cobrirá com sua sombra.


ORAÇÃO 

Nós vos suplicamos Senhor, de nos assistir sem cessar pela virtude de vosso Santo Espírito, a fim de que, purificando por sua misericórdia nossos corações que se consagraram como seus templos, os enriqueça de seus preciosos dons e os faça gozar a doçura de seus frutos. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho que, sendo um só Deus convosco e mesmo Santo Espírito, vive e reina por todos os séculos dos séculos. Assim seja.

VERSÍCULO

Escutai a minha prece, Espírito de Graça.
Bendigamos ao Senhor.
Graças eternas lhe sejam dadas.
Que as almas dos fiéis defuntos, repousem
em paz pela misericórdia de Deus.Amém.



  PRIMA

Espírito Santo, vinde em meu auxilio.
Senhor, apressai-vos em me socorrer.
Glória ao Pai.......


HINO


Como são doces, ó Divino Espírito, os frutos 
que produzis! Seu sabor ultrapassa o mel mais
saboroso. São mais desejáveis que o ouro e as pedras
preciosas.
Sois vós que tornais suave e leve o jugo dos preceitos divinos. 
Vossa unção celeste faz desaparecer todas as amarguras.
Feliz o homem a quem visitais!
Feliz o coração que se torna vosso santuário!
Todas as graças e os dons celestes 
tornaram-se parte daqueles a quem favoreceis.


ANTÍFONA - Deus nos consagrou com sua unção, nos marcou 
com seu selo e como penhor de seu amor, infundiu o
Espírito Santo nos corações.
Concedei-me Senhor, a alegria que nasce
de vossa salutar assistência.
E fortificai-me pela graça de vosso Espírito.



ORAÇÃO 

Nós vos suplicamos Senhor, de nos assistir sem cessar pela virtude de vosso Santo Espírito, a fim de que, purificando por sua misericórdia nossos corações que se consagraram como seus templos, os enriqueça de seus preciosos dons e os faça gozar a doçura de seus frutos. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho que, sendo um só Deus convosco e mesmo Santo Espírito, vive e reina por todos os séculos dos séculos. Assim seja.

VERSÍCULO

Escutai a minha prece, Espírito de Graça.
Bendigamos ao Senhor.
Graças eternas lhe sejam dadas.
Que as almas dos fiéis defuntos, repousem
em paz pela misericórdia de Deus.Amém.


  TÉRCIA


Espírito Santo, vinde em meu auxilio.
Senhor, apressai-vos em me socorrer.
Glória ao Pai.......



HINO


Vinde, ó Único autor de todo o bem, vinde esclarecer
nossos espíritos e abrasar nossos corações.
Vinde nos enriquecer com os sete dons que
santificam as almas e dos frutos preciosos
que lhe dão sobre a Terra um ante-gosto do céu.
Vinde revestir-nos de força , fazer-nos triunfar do mundo
e nos ornar de todas as virtudes.


ANTÍFONA - O Senhor encherá com sua palavra 
os arautos de sua glória, afim de que eles O anunciem com
uma grande força. Enviai vosso
Espírito divino e tudo será criado.
E renovareis a face da Terra.  


ORAÇÃO 

Nós vos suplicamos Senhor, de nos assistir sem cessar pela virtude de vosso Santo Espírito, a fim de que, purificando por sua misericórdia nossos corações que se consagraram como seus templos, os enriqueça de seus preciosos dons e os faça gozar a doçura de seus frutos. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho que, sendo um só Deus convosco e mesmo Santo Espírito, vive e reina por todos os séculos dos séculos. Assim seja.


VERSÍCULO

Escutai a minha prece, Espírito de Graça.
Bendigamos ao Senhor.
Graças eternas lhe sejam dadas.
Que as almas dos fiéis defuntos, repousem
em paz pela misericórdia de Deus.Amém.

  SEXTA


Espírito Santo, vinde em meu auxilio.
Senhor, apressai-vos em me socorrer.
Glória ao Pai.......


HINO

Ó Espírito de luz, sem vós tudo é trevas.
Ó Espírito de bondade e de santidade.
Sem vós tudo é malícia e corrupção.
Os caminhos do homem são oblíquos,
se vós não os endireitais ; a terra
de seu coração é árida e seca se
vós não a regais com as águas
celestes de que sois a fonte inesgotável.
Ó homem! Por que permaneceis na morte, quando
Deus te abre as fontes da Vida?



ANTÍFONA - Ó Deus Todo poderoso, fazei brilhar
em nosso favor vossas virtudes. Senhor,
consolidai o bem que em nós fazeis.
Vinde Espírito Santo.
E fazei luzir sobre nós um raio de luz celeste.


ORAÇÃO 

Nós vos suplicamos Senhor, de nos assistir sem cessar pela virtude de vosso Santo Espírito, a fim de que, purificando por sua misericórdia nossos corações que se consagraram como seus templos, os enriqueça de seus preciosos dons e os faça gozar a doçura de seus frutos. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho que, sendo um só Deus convosco e mesmo Santo Espírito, vive e reina por todos os séculos dos séculos. Assim seja.

VERSÍCULO

Escutai a minha prece, Espírito de Graça.
Bendigamos ao Senhor.
Graças eternas lhe sejam dadas.
Que as almas dos fiéis defuntos, repousem
em paz pela misericórdia de Deus.Amém.


NONA



Espírito Santo, vinde em meu auxilio.
Senhor, apressai-vos em me socorrer.
Glória ao Pai.......


HINO

Do alto de suas moradas eternas o Senhor faz
descer seu Espírito sobre nós.
É um fogo que deve abrazar toda a Terra
para renovar sua face.
É um rio benéfico que deve voltar à sua fonte
e nos levar consigo.


ANTÍFONA - Eu vos darei um outro consolador
para fícar sempre convosco, o Espírito da Verdade
que o Mundo não pode receber porque não o conhece
e não o vê.
Como a corça sedenta suspira junto às fontes 
de água viva. Assim minha alma vos deseja, ó Deus.


ORAÇÃO 

Nós vos suplicamos Senhor, de nos assistir sem cessar pela virtude de vosso Santo Espírito, a fim de que, purificando por sua misericórdia nossos corações que se consagraram como seus templos, os enriqueça de seus preciosos dons e os faça gozar a doçura de seus frutos. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho que, sendo um só Deus convosco e mesmo Santo Espírito, vive e reina por todos os séculos dos séculos. Assim seja.

VERSÍCULO

Escutai a minha prece, Espírito de Graça.
Bendigamos ao Senhor.
Graças eternas lhe sejam dadas.
Que as almas dos fiéis defuntos, repousem
em paz pela misericórdia de Deus.Amém.


VÉSPERAS



Espírito Santo, vinde em meu auxilio.
Senhor, apressai-vos em me socorrer.
Glória ao Pai........


  HINO


Descei, Espírito Todo Poderoso, nossas almas
vos esperam e vos chamam.
sois nossa esperança na aflição, nossa força
nos combates, nossa coroa depois da vitória.
Vinde conduzir-nos em nossos caminhos e
fazer-nos chegar ao termo da eternidade feliz.



ANTÍFONA - quando o Espírito da Verdade
chegar, vos ensinará toda a verdade.
O povo que caminha nas trevas viu uma grande luz.
E o dia raiou para os que habitam na região 
da escuridão da morte.




ORAÇÃO 

Nós vos suplicamos Senhor, de nos assistir sem cessar pela virtude de vosso Santo Espírito, a fim de que, purificando por sua misericórdia nossos corações que se consagraram como seus templos, os enriqueça de seus preciosos dons e os faça gozar a doçura de seus frutos. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho que, sendo um só Deus convosco e mesmo Santo Espírito, vive e reina por todos os séculos dos séculos. Assim seja.

VERSÍCULO

Escutai a minha prece, Espírito de Graça.
Bendigamos ao Senhor.
Graças eternas lhe sejam dadas.
Que as almas dos fiéis defuntos, repousem
em paz pela misericórdia de Deus.Amém.


COMPLETAS


Espírito Santo, vinde em meu auxilio.
Senhor, apressai-vos em me socorrer.
Glória ao Pai.......



HINO


O dia desta vida se acaba, então esperarei a última
hora. Fazei-me chegar, ó Espírito Santo,
à festa bem-aventurada que não terá fim.
É ai que a glória dos Santos brilhará com um
esplendor mais puro e que eles celebrarão
vossos dons com louvores eternos.
É aí que contemplarei na Divina essência,
o Pai que me criou, o Filho que me salvou e Vós,
Espírito que me santificastes. Assim seja.



ANTÍFONA - Senhor, sois durante o dia e 
durante a noite, o guia daqueles que vos invocam
e lhes dais o vosso  Espírito para os instruir.
Como vosso Espírito está cheio de doçura
ó meu Deus!
Como todos os vossos caminhos são direitos
e desejáveis! 



ORAÇÃO 

Nós vos suplicamos Senhor, de nos assistir sem cessar pela virtude de vosso Santo Espírito, a fim de que, purificando por sua misericórdia nossos corações que se consagraram como seus templos, os enriqueça de seus preciosos dons e os faça gozar a doçura de seus frutos. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho que, sendo um só Deus convosco e mesmo Santo Espírito, vive e reina por todos os séculos dos séculos. Assim seja.



VERSÍCULO


Escutai a minha prece, Espírito de Graça.
Bendigamos ao Senhor.
Graças eternas lhe sejam dadas.
Que as almas dos fiéis defuntos, repousem
em paz pela misericórdia de Deus.Amém.